terça-feira, 16 de julho de 2013

Amor à Vida é um retrocesso para a teledramaturgia nacional

O Brasil vem avançando em diversos segmentos quando o assunto é teledramaturgia. Obras importantes entraram no ar nos últimos anos e se tornaram fundamentais para dar um guinada ao modelo de produção dramática para a TV brasileiro. Tanto na TV aberta quanto na TV fechada, o avanço é nítido e salutar para o fortalecimento da marca. Infelizmente a atual novela das 21 Horas, Amor à Vida, representa um retrocesso para as telenovelas brasileiras.

Fosse exibida no final dos anos 80, talvez seria uma trama envolvente e bem avaliada, mas ela está, pelo menos 25 anos atrasada. O modelo adotado por seu autor, Walcyr Carrasco, reúne todos os recursos e saídas adotadas por outros folhetins e que foram sendo abandonados ao longo do tempo. Há quem possa considerar isso um sinal positivo, de retomada de um formato abandonado, ocorre que este formato foi deixado de lado justamente por outros foram surgindo, inovando e deixando muitos desses recursos - senão todos - com cheiro de mofo e pouco cultural.

Quando uma criança pede uma leitura para seu pai, evidente que se ele ler Machado de Assis a criança não compreenderá praticamente nada, pois o texto é muito complexo para quem ainda está construindo valores culturais. Por isso, o público brasileiro foi mastigando textos menos complexos ao longo da história das telenovelas e elas foram fundamentais para fortalecer o estilo no país. Mas atualmente, estamos diante de um público mais maduro - ou que deveria ser - já acostumado a trabalhos menos óbvios e com linhas sensíveis e fugindo do caminho fácil.

O Brasil avançou muito nos folhetins nos últimos tempos. Mesmo no horário das 21 Horas, o público já acompanhou histórias de clonagem (O Clone), tramas policiais intrincadas e complexas (Belíssima), além de textos rebuscados e com diversas camadas (Avenida Brasil). Sentar-se diante da TV para acompanhar texto com saídas óbvias e recursos utilizados nos primórdios da telenovela torna-se um tédio e é prejudicial para o público e para a marca.

O tom de dramalhão incontido, os diálogos infantiloides - que acompanham o autor por praticamente todos os seus trabalhos - e a constante sensação de estarmos numa eterna barriga tornam Amor à Vida uma novela sem charme e que não acrescenta nada. Nem para quem assiste, nem para quem produz, tornando-se um equívoco e um retrocesso.

Se há algum ponto positivo na trama, trata-se de sua direção caprichada. Mauro Mendonça Filho bebeu da fonte de trabalhos mais recentes, tanto em takes, como na fotografia, e mostrou-se antenado quanto aos avanços que o país conquistou. O elenco também, firme e muito bem em cena, é um ponto alto, mesmo diante de um texto rocambolesco e que não produz nenhum tipo de sensação.

Amor à Vida tem uma boa história, mas infelizmente contada a moda antiga e que não consegue ser nostálgica. A saída para um texto que bebe da fonte dos anos 80 e parece parada no tempo seria justamente a nostalgia, mas nem isso ela consegue. Um retrocesso. Apenas isso.

2 Quebraram tudo:

Ian disse...

Discordo que o elenco está firme e muito bem em cena. Para mim, o casal protagonista é uma vergonha! Sobretudo Malvino Salvador, cada vez mais canastrão e mal conseguindo vomitar seu texto ruim. Paola Oliveira, sempre sem sal e previsível.

Rodrigo Rocha disse...

Amor à vida é uma colcha de retalhos de obviedades, onde parece-me que os personagens estão em piloto automático: eles não se dão o trabalho de pensar, apenas de agir.
Meu grande problema em relação à novela é que é muita história pra pouco roteiro. É muita coisa pra ser contada em um texto tão precário e óbvio. Sem contar que eu NÂO ADMITO que um AUTOR utilize plots completos de outras obras. Se você quiser utilizar uma outra obra para inspirar-se, ok. Agora, o que esse autor está fazendo em relação à Grey's Anatomy e Brothers and Sisters é sacrilégio.

A Globo deveria ter vergonha de ter permitido que Walcir Carrasco saísse de suas comédias fantasiosas para ir para o horário nobre. Ainda mais plagiando descaradamente outras obras com plots completos "chupados", inclusive no que tange à diálogos...

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira